logo marca elementar

VER IMAGENS

SOBRE

Há 3 anos desenvolvemos um projeto especial. A ideia foi transformar um apartamento em um pequeno restaurante íntimo, que funcionaria uma vez por semana recebendo amigos e clientes com reserva prévia. A proposta deu tão certo que as proprietárias decidiram ampliar o restaurante e levá-lo para uma casa maior. Fomos procurados novamente, dessa vez com o desafio de levarmos o mesmo clima de intimidade e aconchego que havia no apartamento para um espaço maior e aberto.

Fotografias: Adriano Rodrigo

PROJETO

A ideia central foi manter uma atmosfera de conforto, fazendo com que os visitantes se sintam em casa, com móveis despojados, iluminação intimista, com luminárias projetadas por nós, em um clima bem “faça você mesmo”. Para isso, utilizamos diversos objetos e materiais reciclados como pallets, esquadrias antigas e caixotes de feira, além de utilizar objetos de souvenir pertencentes a suas proprietárias, adquiridos em andanças pelo mundo, trazendo uma pegada bem íntima e pessoal para os ambientes. 

A reforma foi pensada para que fosse rápida, com pouca intervenção de quebrar ou incluir paredes novas, aproveitando o terraço existente, ampliando e ocupando-o com mesas e cadeiras, com vista para o jardim externo. Essa demanda por uma obra rápida e barata, nos levou a optar por instalação elétrica aparente, deixando à mostra os eletrodutos, alguns fios, tomadas e interruptores, e cobrimos algumas paredes que eram revestidas em cerâmicas com painíes osb, deixando o ambiente com um toque de estética industrial.

Na chegada da casa, apresentando a filosofia do projeto já no seu primeiro momento, temos um terraço com piso de pallet, uma rede e vegetação aliada à cordas coloridas que utilizamos trançadas na grade de entrada, pra trazer mais privacidade e ao mesmo tempo permitir a ventilação. Ainda próximo à chegada, cobrimos uma parede com tábuas de pallet, preenchendo-a com garrafas recicladas como vasos de flores, enquanto do outro lado temos um bicicletário, montado em uma parede de OSB. Demolimos uma parede original da casa e criamos uma sala íntima, onde antes era quarto, para dispor um sofá de pallets, grandes e confortáveis almofadas, mesa de carretel, e uma parede de lambe-lambes, que será preenchida com a utilização do espaço. Ainda nessa sala íntima, trouxemos para as paredes o mesmo verde presente no projeto que fizemos quando O Mundo Lá de Casa era em um apartamento, mantendo viva a memória do projeto, e onde foram dispostos os objetos de viagens dos moradores.

Para o salão principal, utilizamos um piso vinílico de madeira, tornando o ambiente aconchegante. Neste salão dispomos mesas quadradas, permitindo rearranjos para diferentes quantidades de pessoas, além de um espaço onde ocorrem as apresentações, com instrumentos musicais pendurados na parede. Ainda neste salão, projetamos uma parede preta que é utilizada como mural que recebe mensagens afetivas, assim como expõe o cardápio da semana escrito com giz. Numa das paredes do salão tínhamos tijolo aparente e decidimos mostrar um pouco mais deles, descascando o reboco em alguns trechos pontuais, para trazer ainda mais aconchego ao espaço. 

Este salão faz limite com um jardim, no fundo do lote, que separamos através de grades de ferro antigas e reaproveitadas, criando um limite para o ambiente construído mas sem confina-lo. No jardim, criamos um gazebo em madeira, com piso rústico e iluminação simples, descontraída e barata e reaproveitamos uma antiga porta de madeira como decoração no muro, criando uma área íntima para uma mesa em meio ao jardim, além de uma área de churrasqueira. O paisagismo deste jardim foi pensado de forma a deixar o máximo de solo natural, que é aproveitado como horta, marcando apenas o gazebo e os passeios que são conformados com discos de madeira natural.

Com relação ao mobiliário, vale ressaltar que reaproveitamos a maioria dos móveis que eram utilizados no projeto original do apartamento, como sofás, mesas, cadeiras, bancos e estantes. Essa solução acabou por trazer economia ao projeto e obra, além de carregar consigo uma memória do projeto original, mantendo viva a estima dos moradores e frequentadores.

Para o banheiro, a ideia era fazer uma intervenção mínima, com baixo custo e bom resultado estético. Assim, optamos por substituir seu piso por cerâmica que remete a ladrilho hidráulico antigo, mantendo a filosofia do restante do projeto, pintar suas cerâmicas com tinta epóxi numa tonalidade de laranja bem suave, transformando assim a cara do ambiente. Por último, economizamos na marcenaria ao utilizar caixote de feira como mobiliário para guardar os utensílios de banheiro.

Para a cozinha, a ideia foi ordenar os espaços de forma que funcione muito bem tanto para o dia-a-dia, quando utilizada pelos moradores, quanto para os dias de receber público, onde temos um número elevado de pessoas trabalhando no mesmo espaço. Além disso, como em todos os espaços, optamos pela integração, com uma cozinha aberta, que facilita a comunicação e troca de experiências entre as pessoas, o que é a marca registrada desse maravilhoso O Mundo Lá de Casa.

No acesso, para dar um ar mais informal e com cara de casa, propusemos uma parede de osb onde foram penduradas as bikes dos moradores.

Parede na entrada da casa revestida por réguas de pallets de madeira pinus reaproveitados, formando um painel onde é possível pendurar objetos de decoração.

Na varanda, criamos um deck de pallets montados, elevando um pouco o piso e dando uma outra ambiência para o espaço. Na grade à esquerda, propusemos uma trama de cordas naturais para dar uma maior privacidade ao interior da casa.

O quintal foi remodelado e ganhou um gazebo com a coberta de pergolado de madeira e piso em tijoleira cerâmica.

Com o passar do tempo, a ideia é que a vegetação ao fundo se aproprie do gazebo e o transforme em um caramanchão.

A parede de um dos quartos foi demolida e o espaço passou a se abrir para o salão, criando uma saleta intimista e aconchegante, onde o sofá de pallets é o destaque.

A saleta é um espaço usado diariamente pelos moradores e que nos dias em que a casa se transforma em um (anti)restaurante ela contribui para manter o aspecto de casa pretendido no projeto.

Objetos de viagem e artesanatos trazidos de viagem a todas as partes do mundo fazem parte da decoração e dão a cara dos moradores aos espaços.

A integração entre os espaços fortalece a ideia de coletividade e integração também entre as pessoas.

Uma solução que já havíamos empregado no primeiro projeto que fizemos para O Mundo Lá de Casa é a parede com tinta de quadro negro, que permite que as pessoas desenhem e escrevam, mudando o conteúdo a cada dia.

Todos os moradores tem dotes artísticos e musicais, com isso, nada mais justo do que um palco e uma parede/painel para eles expressarem sua arte e talento.

A parede em tijolinho aparente foi mantida no projeto para dar mais personalidade e aconchego ao espaço. Sobre ela, mais objetos pessoais de decoração dos moradores.

A parte maior do salão permite vários arranjos diferentes de mesas, já que elas tem tamanhos variados, possibilitando atender a todo tipo de grupo. A mesa maior ao fundo é a mais utilizada para refeições no dia a dia dos moradores.

Demolimos a cozinha da casa, deslocando-a mais para o fundo e criamos esse recanto de estar. Descascamos a parede curva para evidenciar os tijolos e deixá-los aparentes.

O piso vinílico imitando madeira foi uma solução que usamos pra mudar rapidamente a cara do ambiente, com uma obra rápida, limpa e sem quebra-quebra. Para diminuir a quantidade de obras, optamos pela instalação elétrica aparente.

O salão com mesas de tamanhos variados permite um layout flexível. O palco ao fundo é visto de todos os pontos do projeto. O mobiliário em sua maioria foi reaproveitado do projeto anterior que havíamos feito para o Mundo Lá de Casa. As luminárias pendentes com lâmpadas de filamento dimerizáveis foram desenhadas pela nossa equipe.

A estante que dividia a sala de jantar da cozinha no primeiro projeto, foi usada aqui como divisória, resguardando a escada de acesso ao primeiro pavimento.

Detalhe da estante de pinus reaproveitada.

Com poucas intervenções o banheiro foi transformado. O piso foi trocado por um que remete ao ladrilhos hidráulicos antigos e as cerâmicas das paredes foram pintadas com tinta epóxi na cor laranja.

Detalhe do piso cerâmico que remete aos ladrilhos hidráulicos antigos que casam com o laranja suave escolhido para as paredes.

Estante reaproveitada em madeira pinus funcionando como divisória.

A diferença está nos detalhes. Cantinho do café com decoração afetiva.

A diferença está nos detalhes.

As artes se misturam nas paredes do mundo.

Gazebo a noite, com a churrasqueira ao fundo e a estrutura para a horta à esquerda.

O gazebo com espaço externo e de contemplação.